A Aspen utiliza os dados dos cookies para personalizar e melhorar a sua experiência em nosso site. Esses cookies, bem como os dados dos formulários, tem como objetivo o uso interno para melhorar o desempenho do site e não serão, sobre hipótese alguma, divulgados publicamente.
Acesse aqui a nossa política de privacidade.

    Mês do Orgulho LGBTQI+: a diversidade em pauta no mundo corporativo

    Ontem (28), o mundo celebrou uma data importante em prol da diversidade e da inclusão: o dia do orgulho LGBTI. Cada vez mais discutida na sociedade, a causa mostra sua força também dentro do universo corporativo. Mais que empregos e carreiras, os profissionais estão em busca de um propósito bem definido, e luta pela construção de ambientes de trabalho mais diversos é uma busca por uma representação mais fiel à realidade do Brasil. O mercado já entendeu isso e se move nessa direção.

    Segundo um levantamento realizado no ano passado pela Glassdoor, com mais de 1.540 profissionais, 66% dos profissionais LGBTI acreditam que assumir sua identidade poderá ferir sua carreira profissional, o que indica que grande parte da comunidade ainda sente receio em demonstrar quem é no ambiente de trabalho. A pesquisa vai ao encontro de um estudo conduzido pela Santo Caos, que revelou que 41% das pessoas LGBTI afirmam ter sofrido discriminação por sua orientação sexual ou identidade de gênero no ambiente de trabalho, e que 33% das empresas brasileiras não contratariam uma pessoa LGBTI para um cargo de chefia.

    Em contrapartida a pesquisa “A Diversidade e Inclusão nas Organizações no Brasil“, realizada pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), traz dados positivos. Ela aponta o crescimento de programas de diversidade no ambiente de trabalho. Participaram do estudo 124 companhias que, juntas, faturaram R$ 1,24 trilhão, equivalente a 18,3% do PIB brasileiro em 2018. Entre essas empresas, 63% têm programas de diversidade e inclusão.

    De acordo com o estudo, programas voltados à identidade de gênero e orientação sexual destacam-se nas organizações, com 83% e 74%, respectivamente, dos condutores da diversidade e da inclusão. Entre as justificativas para o crescimento de ações inclusivas, 68% das empresas acreditam que elas contribuem para melhorar a imagem e a reputação organizacional, como um negócio comprometido com a diversidade. 

    Para 63%, os programas são importantes na contribuição de mudanças estruturais na sociedade. Outra opção ressaltada por 57% dos negócios respondentes é o quanto ações de diversidade são fundamentais para aumentar a eficiência interna por meio de uma gama mais ampla de cenários e conjuntos de habilidades. Além disso, 54% das organizações entrevistadas enfatizam que a diversidade auxilia a qualificar a cultura organizacional, uma vez que os funcionários veem a diversidade como uma questão de justiça e moralidade. 47%, ainda, pontuam que práticas de inclusão ajudam a desenvolver soluções inovadoras para o negócio.

    Empresas fazem bonito no fortalecimento da diversidade LGBT+

    – Bayer

    Diretora de Inclusão e Diversidade na Bayer, Aline Cintra alerta que manter o tema em evidência na empresa é importante para combater o preconceito inconsciente. “Todos nós partimos de algum ponto de vista para nos relacionarmos no trabalho ou com amigos. Neste momento de isolamento, é muito importante combatermos esses preconceitos inconscientes para priorizarmos a diversidade na nossa sociedade”, explica.

    A Bayer, inclusive, é uma empresa que se destaca quando o assunto é a promoção de um ambiente de trabalho acolhedor para profissionais LGBT+. Entre as iniciativas que favorecem a diversidade, destacam-se:

    Blend: O Comitê de Diversidade da companhia possui diferentes grupos de afinidade. Um deles é o Blend, responsável por promover respeito e equidade para a comunidade LGBT+. É uma iniciativa global da Bayer que busca e apoia um ambiente inclusivo, confiável, livre de preconceitos e íntegro para todos.

    Cartilha LGBT+: Um grupo de colaboradores voluntários do Blend produziu uma cartilha com o objetivo de explicar os principais termos relacionados à sexualidade e à comunidade LGBT+, principais dúvidas sobre o tema, direitos, mitos e fatos, e a importância de um ambiente diverso.

    Toaletes de uso por identidade de gênero: A companhia recentemente fixou placas de uso de toalete de acordo com a identidade de gênero. O objetivo é reforçar a conscientização para inclusão LGBT+, priorizando a liberdade e a individualidade das pessoas.

    Programa de Mentoria de Empresas de Diversidade (PMED): O programa foi lançado em 2017 com o objetivo de contribuir para a redução das diferenças no ambiente corporativo e aumentar as oportunidades de empreendedorismo. Trata-se de uma iniciativa de mentoria extensiva voltada às empresas inscritas, com duração de um ano, para apoiar o desenvolvimento e fortalecimento dos grupos tidos como minorias.

    Podem participar do projeto, empresas nas quais mais de 50% do quadro de funcionários seja constituído por grupos afrodescendentes, LGBTs, indígenas, pessoas com deficiência, mulheres, além de companhias localizadas em comunidades próximas às operações da Bayer ou fora dos grandes centros urbanos, que historicamente tiveram ausência de oportunidades sociais e econômicas. São oferecidos treinamentos, em diversas áreas de negócios, ministrados por funcionários e líderes voluntários da multinacional.

    Licença-paternidade: A Bayer adota a licença paternidade estendida de 20 dias. Esta prática também é válida para casais homoafetivos quando adotam crianças. Isso possibilita que o pai tenha mais tempo de dedicação aos cuidados com seu bebê e com sua família.

    – Aspen Pharma

    Quem também mostra força com um trabalho bem-sucedido a favor da promoção da diversidade é a Aspen Pharma. No ano passado, a filial brasileira da farmacêutica sul-africana lançou o programa de Diversidade & Inclusão, sendo pioneira ao contratar a primeira colaboradora transgênero, através de uma parceria com a TransEmpregos, maior banco de currículos e vagas para pessoas Trans do país.

    “A diversidade racial, de gênero, profissional e intelectual mostra novos caminhos e agrega experiências importantes. Acreditamos que quanto mais diversa e inclusiva uma organização for, mais competitiva ela será em seu mercado, destacando-se em questões como inovação, desempenho, engajamento e retenção de talentos. A Aspen Pharma segue em busca de promover um ambiente de trabalho diferenciado e diversificado para todos”, comenta Patrícia Franco, diretora de RH da Aspen Pharma, que integra a segunda posição do Ranking GPTW LGBTQI+2020 como uma das Melhores Empresas para Trabalhar nessa categoria.

    – Cisco

    A premiação do Great Place to Work destaca também a Cisco, empresa de tecnologia que foi premiada como a melhor organização para o público LGBTQI+. A companhia foi considerada a que adota as melhores práticas de inclusãoqualificação e reconhecimento para estes funcionários no País. Além disso, a companhia também foi reconhecida como a melhor para se trabalhar no âmbito étnico-racial.

    O prêmio surge como um reconhecimento às práticas e códigos de conduta da Cisco, que buscam criar um ambiente naturalmente acolhedor, diverso e inclusivo para todos os funcionários. No ano passado, a empresa lançou a comunidade Cisco Pride Brasil, que visa conectar e ouvir colaboradores, amigos e aliados LGBTQI+ e torná-los porta-vozes internos e externos, aumentando a conscientização interna e sensibilização à causa no Brasil.

    “Receber este prêmio é uma grande alegria e nos traz a responsabilidade de continuar investindo para que a Cisco seja uma empresa cada vez mais diversa e inclusiva para todos. O Cisco Pride representa a comunidade LGBTQI+ e aliados dentro da empresa e trabalhamos para fomentar um ambiente de acolhimento com o apoio da liderança da Cisco”, afirma Tatiana Gasparotto, gerente de programas para Canais para América Latina e co-líder do Cisco Pride no Brasil.

    Nayana Pita, diretora de Recursos Humanos da Cisco do Brasil, destaca que na Cisco “há a paixão por preservar uma cultura positiva e garantir que cada pessoa seja tratada com respeito e dignidade. Este é um dos nossos objetivos mais preciosos”.

    – AIG

    Outra empresa que se revela poderosa pró-diversidade é a AIG. Pelo quarto ano consecutivo, as ações em defesa, conscientização e promoção da diversidade no mercado de trabalho e na comunidade realizadas pelos grupos de afinidade da AIG no Brasil são reconhecidas por um prêmio global concedido pela matriz da seguradora entre suas mais de 80 operações. Desta vez, o grupo focado na temática LGBTI+ Diversitas & Aliados recebeu o prêmio global Outstanding ERG Achievement – Awareness Education, que destaca as ações educativas do grupo em busca de um ambiente mais igualitário e acolhedor para a comunidade, diminuindo as barreiras do preconceito. O reconhecimento ao Diversitas foi concedido pelo CEO global da AIG, Brian Duperreault.

    “É uma grande satisfação receber mais um reconhecimento global à AIG Brasil. É um orgulho que devemos ter enquanto equipe, por aplicarmos o valor da inclusão e diversidade e experimentarmos a conscientização na prática, com ações que fazem a diferença, contribuindo para que as pessoas se sintam confortáveis e seguras para serem quem são”, diz Fabio Protasio Oliveira, CEO da AIG Seguros Brasil.

    Com mais de 140 grupos de afinidade espalhados por 54 países em todo o mundo, a AIG tem um posicionamento firme na defesa da diversidade, inclusive na sua liderança global. Recentemente, em reação a atos de racismo, a companhia anunciou a doação de US$ 500 mil para instituições globais focadas em medidas antirrascistas.

    No Brasil, além do Diversitas LGBT & Aliados, a AIG possui outros dois grupos: Women@Work (WOW) – Mulheres e Aliados, focado no desenvolvimento profissional para as mulheres e equidade de gênero, e o DÆRC (Diversidade Étnico-Racial Consciente), cujo objetivo é ampliar e fortalecer as oportunidades à população negra, por uma sociedade mais justa e sem preconceitos. Juntos, os colaboradores da seguradora estão envolvidos em esforços para promover uma cultura inclusiva para todos. Dos 250 funcionários da AIG no Brasil, cerca de 20% (em torno de 50 pessoas) participam ativamente e de forma voluntária de algum grupo de diversidade.

    Saiba Mais

    A diversidade deixou de ser somente uma luta de minorias em busca de reconhecimento; ela se expandiu e está cada vez mais presente em políticas e ações do mundo corporativo com políticas de recursos humanos cada vez mais inclusivas.

    Confira alguns e-books gratuitos do RH Pra Você sobre a diversidade nas empresas:

Arquivos